Pelo direito de dizer “não consigo” ou “não quero”

Pelo direito de dizer “não consigo” ou “não quero”

Artigo de Virgilio Marques dos Santos, co-fundador da consultoria FM2S:

Você já se deparou com mais coisas do que é capaz de gerenciar? Já experimentou aquela sensação de angústia e ansiedade em saber que algo pode estar acontecendo com aquilo que não está olhando? Ou sofreu com a falta de concentração ou calma para executar uma tarefa importante, porque você não está seguro de que as outras coisas estão bem cuidadas?

Equilibrar todos os pratos da vida pode ser um desafio. Entre o trabalho, a família, os relacionamentos, as obrigações pessoais e a vida social, parece que nunca há tempo suficiente para tudo.

Às vezes sonhamos em voltar no tempo, se deslocando para a infância. Queria voltar para a rua 3, lá em Rio Claro. Não me refiro a retornar geograficamente, como faço todo mês, mas voltar da escola. Lembro-me que, aos 15 anos, voltava à pé da escola. Saía do Koelle às 12h20 e me dirigia para a casa dos meus pais, para o almoço. Era uma delícia caminhar nessa hora, porque em cada esquina eu sentia o cheiro do menu das casas. A cada aroma diferente, eu ficava imaginando o que minha mãe estava cozinhando. E, ao cruzar a avenida 20, sentia o frescor do almoço e começava minha tarefa mental de adivinhar o que seria servido.

Lembro-me bem do cheiro da farta lasanha à bolonhesa. Nesses dias, era garantia de que meus avós maternos estariam à mesa. Depois da esquina, 60 metros e pronto. Estava em frente ao interfone, avisando que estava lá. Abria-se o portão e eu tinha a plena sensação de segurança. Nada iria me deixar nervoso, ansioso ou tenso. A estrutura que minha família me proporcionava permita que eu fosse feliz de maneira plena. É claro, havia perrengues e problemas da idade, mas quando eu os esquecia, era feliz. Não havia muitos pratos para equilibrar.

Nos idos de 1999, não havia a profusão dos smartphones, ainda. Os celulares eram apenas para ligações aos pais e amigos. Já as mensagens, eram apenas torpedos (sms) para nossos crushes. A conexão online era baseada em pessoas, não em algoritmos. O tempo, apesar de acelerado, era variável aos finais de semana. A angústia e as aflições eram coisas para o longo prazo e a sensação de estabilidade, ainda que curta, existia.

Como viver sem a máquina do tempo?

É importante encontrar um equilíbrio para manter a saúde mental e emocional. Aqui estão algumas dicas para ajudá-lo a equilibrar todos os pratos da vida:

● Priorize: determine o que é realmente importante para você e concentre seus esforços nessas áreas;

● Delegue tarefas: se você está sobrecarregado, considere delegar tarefas a outras pessoas, seja em casa ou no trabalho;

● Desenvolva uma rotina: ter uma rotina ajuda a manter a organização e a produtividade, permitindo que você atenda às suas responsabilidades de maneira eficiente;

● Encontre tempo para si mesmo: é importante dedicar tempo para sua saúde mental e física, seja por meio de atividades de lazer ou de práticas de meditação, por exemplo;

● Mantenha um diário: escrever suas preocupações e tarefas pendentes pode ajudá-lo a mantê-las organizadas e diminuir a sensação de sobrecarga.

Lembre-se de que equilibrar todos os pratos da vida é uma jornada constante e não há soluções definitivas. Encontre o que funciona para você e continue trabalhando nisso, e tenha em mente que é normal ter altos e baixos. O importante é encontrar um equilíbrio saudável, que lhe permita ser feliz e realizado. E, para isso, tenha o direito e a coragem de dizer não… Como a sinceridade é um dos valores mais importantes para mim, não consigo mentir. E, se alguém pede para que eu faça algo, dificilmente declino. Acabo aceitando todas as demandas que vão surgindo e isso me deixa angustiado. O prazer instantâneo por agradar e não discutir acaba gerando pendências que muito me custam, como a quebra da minha rotina para que as coisas que ascendi sejam feitas.

Como não podemos voltar ao ambiente seguro e sem cobranças excessivas, precisamos lutar pelo direito de falar a verdade e defender nosso planejamento. Para aceitar alguma solicitação ou mudança, pense bem. Só o faça se isso não ferir o seu planejamento de forma dolorosa e não for contra seus valores. Nesses casos, pode parecer perigoso, mas use o direito de dizer não quero ou não consigo. É libertador!