Investidores podem expandir os lucros por intermédio de ações internacionais

Investidores podem expandir os lucros por intermédio de ações internacionais

Comprar ações fora do Brasil pela primeira vez pode parecer uma tarefa complicada para muitos investidores. Mas com auxílio e orientação, é possível realizar investimentos com segurança e tranquilidade.

De acordo com Gabriel Komatu, formado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas – FGV e cofundador da Komatu Gestora de Recursos, existem duas formas para comprar ações no exterior. “Pode-se abrir uma conta diretamente no país em que deseja investir, ou realizar investimentos via BDRs na bolsa brasileira. De forma menos direta, também é possível investir em um fundo de investimento que possui como estratégia comprar ações no exterior e, dessa forma, o investidor também estará exposto às ações estrangeiras”, relata.

Em um Fundo de Investimento, o investidor compra cotas de participação e se torna cotista, confiando a administração do seu dinheiro para a gestão desse fundo, que é a responsável por comprar e vender os ativos para obter lucros.

Isabela Komatu, CEO e também cofundadora, afirma que investir em um fundo pode ser mais vantajoso em diversos cenários. “Dessa forma, o investidor estará delegando a gestão de seu portfólio de ações a um gestor e, portanto, um profissional qualificado tomará as decisões de investimento dentro do fundo, em nome de vários cotistas. Esta é a principal vantagem, porque o investidor não terá que se preocupar em estudar sobre as empresas estrangeiras ou em acompanhar o mercado financeiro. Afinal, ele contará com um profissional focado nisso e tomando as decisões de investimento”, revela.

Fora de um fundo, a compra de ações no mercado estrangeiro pode ser complicada, mas é possível realizar aplicações após analisar diversos fatores importantes. “Deve-se levar em consideração a saúde financeira da empresa, seus múltiplos financeiros, as perspectivas macroeconômicas para o possível crescimento da companhia e as perspectivas setoriais para o modelo de negócio. Além disso, cada ação possui um nível de risco que não pode ser descartado durante a análise, já que podem existir ações que são mais coerentes de se ter em seu portfólio em comparação a outras”, pontua a CEO.

Gabriel alerta que, ao comprar ações por conta própria, é de suma importância acompanhar as notícias relacionadas as empresas em que os investidores pretendem investir. No entanto, o empresário considera o aporte em um fundo de investimento uma opção mais segura. “Por conta desse processo extenso de análise e acompanhamento, é importante avaliar se investir via fundo de investimento não seria uma opção mais plausível para o investidor. Em um fundo delega-se a gestão de investimento para um profissional, que fará toda essa análise e acompanhamento de forma mais certeira e efetiva”, finaliza.

Sobre Gabriel Komatu

Gabriel é formado em administração de empresas pela Fundação Getúlio Vargas e atua no mercado financeiro há mais de sete anos. Iniciou a sua carreira como assessor de investimentos em um escritório de agentes autônomos em São Paulo e saiu do escritório para fazer um intercâmbio na França, na HEC Paris. Em 2020, começou a fazer gestão de portfólio do Clube de Investimento de Paris ao lado de sua esposa, Isabela. Em 2022, os dois fundaram a Komatu, primeira gestora de recursos da Baixada Santista. Atualmente, é diretor de Investimentos na Komatu, atuando na gestão dos produtos e serviços financeiros da gestora. 

Gabriel é autodidata e conhecido por ter uma vasta compreensão do mercado financeiro e de capitais brasileiro e global. Possui uma das certificações mais relevantes do mercado financeiro brasileiro, o CGA (Certificado de Gestor Anbima) e está no caminho para se tornar CFA Charterholder (principal certificação internacional).