Falta de acessibilidade e de empatia são as principais queixas de pessoas surdas

O mês de setembro é tido pela comunidade surda como um momento de reafirmar lutas, comemorar conquistas importantes e conscientizar sobre acessibilidade. O Setembro Azul, como foi batizado, abriga várias datas importantes mundialmente. No Brasil, o Dia do Surdo é celebrado em 26 de setembro desde 2008. A escolha foi feita em alusão à fundação da primeira escola para surdos, em 1857, no Rio de Janeiro. O Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES) ainda está em funcionamento e atende cerca de 600 pessoas. 

A pesquisa realizada pelo Tim Ads, plataforma que ouve opiniões sobre os mais diversos temas da base de clientes pré-pagos da operadora, teve a participação de 70 mil pessoas, com 15% afirmando ter alguma deficiência auditiva. Para esse universo de respondentes, a falta de intérpretes de libras em espaços públicos foi apontada por 17% como principal necessidade para acessibilidade plena. O índice é igual (17%) ao dos que sentem falta das legendas em mídias audiovisuais. Para 16% dos que responderam, o que falta ainda são atitudes respeitosas e pacientes das pessoas. 

A percepção de que a discriminação contra a comunidade surda permanece igual foi a resposta de 26%, mas para 19% os casos estão diminuindo. Enquanto isso, 18% dos participantes disseram que sentem que a discriminação aumenta na nossa sociedade.  

O ambiente de trabalho também foi alvo de questões. Para 17%, as pessoas com alguma deficiência auditiva não se sentem seguras para falar sobre o tema no trabalho, mesmo número dos que acreditam que até chegam a comentar, mas apenas com os mais próximos.  

Quando perguntados a respeito das iniciativas das empresas para a promoção de inclusão e acessibilidade, 35% julgam que são importantes e contribuem para uma sociedade igualitária. A TIM, seguindo práticas de ESG, conta com ações internas para a inclusão de seus colaboradores PCDs. Além disso, tem seus canais de comunicação preparados para o atendimento desse público, como destacaram 39% dos participantes da pesquisa.