Canal Contadora da Bolsa elucida sobre os principais problemas para quem investe na Bolsa pessoa física

Canal Contadora da Bolsa elucida sobre os principais problemas para quem investe na Bolsa pessoa física

Vem se aproximando o 31 de maio e, com ele, o prazo final (e já prorrogado) para a Declaração do Imposto de Renda de 2022. Alice Porto, do Canal Contadora da Bolsa, alertou que o programa da Receita Federal, o IRPF 2022, sofreu algumas mudanças e vem buscando elucidar dúvidas que estão surgindo no cotidiano. Uma das principais dúvidas é  sobre os Fundos de Investimento Imobiliário (FII).

No site “contadoradabolsa.com.br” e nas redes sociais ela disponibilizou um ebook de quase 50 páginas, que visa ajudar nos mínimos detalhes com a parte de Bolsa da Declaração Anual, tendo todas as informações atualizadas para preenchimento do novo programa.

Na obra e no canal do Youtube, Alice Porto tira dúvidas constantes sobre como apresentar os dados sobre investimentos, preencher a declaração e muito mais. Além disso, apresenta questões que aparecem de distintas formas e que são levadas à Receita. A declaração dos FII, inclusive, foi alvo de discussão recente nas redes sociais, o que fez com que a Contadora da Bolsa realizasse uma minuciosa consulta junto à Receita, sobre o CNPJ da fonte pagadora a ser incluído na declaração.

A Secretaria Especial da Receita Federal informou que tanto na declaração de bens e direitos, quanto na declaração dos rendimentos, deveria ser usado o CNPJ do FII, não da administradora do fundo, informação que foi confirmada também em um segundo contato.

“Nós fizemos duas consultas, em 15 de março. A gente já tinha feito em meados do ano passado, e reforçamos agora. E isso não bate o martelo, o que bate o martelo é ela (a declaração), trazer automaticamente o preenchimento do próprio CNPJ dos FII na seção “Rend. Isentos” do menu Bens e Direitos”, detalha Alice Porto.

Para simplificar a vida dos investidores, o site mantido por Alice mantém uma seção chamada “Facilidades”, para ajudar no preenchimento da declaração, fazer consulta ao CPF e também o cálculo da DARF. “Qual a missão da Contadora da Bolsa? Que os investidores não tenham problema com a Receita Federal”, explica Alice Porto.

Quem perder o prazo da declaração, que encerra em 31 de maio, deverá pagar multa no valor mínimo de R $165,74; ou de 1% até 20% sobre o imposto devido. E, caso o investidor não informe corretamente as aplicações na Bolsa de Valores, pode cair na malha fina e ter que se explicar para a Receita. Em casos mais extremos, a Receita poderá ainda bloquear o CPF do contribuinte, o que pode causar muita dor de cabeça e custos extras.
Se isso acontecer, o contribuinte que teve o CPF bloqueado não poderá usar cartão de crédito, movimentar conta bancária, tirar/renovar passaporte, operar na bolsa de valores, comprar remédio controlado, renovar carteirinha do conselho da sua profissão, fazer financiamento de carro ou imóvel, pegar empréstimo bancário e até mesmo receber salário (no caso de servidor público).