Empresa oferecerá serviços digitais de segurança e privacidade de dados

Empresa oferecerá serviços digitais de segurança e privacidade de dados

Com estratégia de agregar valor para sua plataforma de clientes por meio de parcerias e negócios disruptivos, a operadora Tim está oficializando acordo com a empresa de tecnologia e soluções digitais FS Security para a criação da Exa Tecnologia, empresa que oferecerá um portfólio de serviços digitais focado principalmente em segurança e privacidade de dados. A novidade já nasce com o anúncio do primeiro produto associado a uma proteção Pix multibanco, agregando valor aos clientes e novas receitas para as companhias.

Na estrutura da Exa a FS será a controladora e a Tim uma acionista minoritária. Com o acordo, a operadora conta com a expertise em segurança do parceiro para oferecer novos serviços além de telecom para os seus mais de 60 milhões de usuários e vai colocar à disposição da nova empresa seus canais de distribuição para a comercialização de produtos e serviços digitais.

“Na Tim, impulsionamos modelos de negócios que nos unam a empresas que sejam referências e tenham expertise em seus mercados. Temos agora a oportunidade de trabalhar com a FS e atuar numa nova linha de negócio que gere valor real para nossos usuários por meio da monetização da base, assim fizemos com Ampli e C6”, diz Renato Ciuchini, vice-presidente da Tim Brasil. E complementa: “desenhamos toda a jornada do cliente dentro da companhia e conhecemos suas reais necessidades. E, dessa nova junção, nasce já o primeiro produto de proteção para pagamento via Pix, que hoje já representa grande parte das operações dos nossos usuários e é uma necessidade devido ao atual cenário de furtos e cibersegurança”.

“Não se trata apenas de inovação de produto e de serviços. Estamos falando de inovação no modelo de negócio”, diz Carlos Landim, CEO da FS. “Tim e FS, parceiras desde 2012, amadurecem a relação de mais de dez anos e passam a ser sócias da Exa”, complementa. Para o futuro, há a disposição de que a Exa venha a ter em seu capital outros investidores. “Seria uma companhia de tecnologia, de serviços digitais, com o olhar voltado prioritariamente para proteção e segurança de dados e a entrada de novos investidores traria escala”, explica Landim.

O cliente final para a Exa, diz o executivo, é a pessoa física ou empresas, normalmente pequenas e médias. Um produto que estará à venda, por exemplo, será uma solução tecnológica de segurança de dados associada a uma proteção Pix multibanco. “Criamos uma solução de tecnologia com uma proteção securitária embarcada, em parceria com a seguradora Too Seguros, do Grupo BTG. Essa tecnologia aplicada permitirá oferecer ao cliente final deste produto preços mais competitivos, ampliando o seu alcance e tornando-o mais acessível.

Suponha que uma pessoa seja coagida a fazer um Pix e tenha o celular roubado. Se ela tiver essa solução tecnológica com o seguro, pode acessar uma página por meio de qualquer dispositivo conectado e tentar localizar o celular roubado ou mesmo preservar sua privacidade, apagando todos os dados do aparelho, como fotos, mensagens e listas de contatos. Para o valor do Pix, o serviço oferece cobertura de até R$ 2.500”, explica Landim.

De acordo com a SSP (Secretaria Estadual de Segurança Pública), de janeiro a julho de 2021, após a criação do Pix, houve aumento de 39,1%, nos casos de sequestro-relâmpago em São Paulo.