Serviço incentiva trabalhadores a relatarem abusos com a certeza de que não estão sós

Para ajudar as pessoas a vencerem o medo e se manifestarem sobre problemas de comportamento e também contribuir para que as empresas identifiquem e resolvam esse tipo de problema internamente, a empresa SafeSpace criou o sistema Connect. A nova funcionalidade da plataforma permite que colaboradores e colaboradoras escolham, na hora que estão finalizando seus relatos, se querem enviá-los apenas se aquele/a funcionário/a já tiver sido denunciado anteriormente. 

O objetivo da ferramenta é, por meio  da força de uma ação coletiva, ajudar a gerar confiança para que as pessoas consigam falar das situações que vivem e também oferecer a chance de que a empresa identifique questões recorrentes antes que elas se escalem e se tornem mais graves. 

Em 2020, a maior parte das pessoas mudou a rotina e uma nova dinâmica de trabalho chegou para ficar. Com a distância física imposta pelo home office, muitos esperavam que os incidentes de assédio diminuíssem. Infelizmente, essa ideia foi descartada rapidamente, pois o trabalho remoto tornou fácil que alguns funcionários exercessem poder sobre os mais vulneráveis e, consequentemente, trouxesse um ambiente hostil para a rede. 

Dados de uma pesquisa LinkedIn feita em parceria com a Think Eva, consultoria de inovação social, mostram que quando algum tipo de assédio acontece no ambiente de trabalho, 50% das vítimas relatam o episódio a alguém próximo, 33% se calam e não fazem nada, enquanto 14% pedem demissão. Entre as pessoas entrevistadas, apenas 5% recorrem à área de recursos humanos da empresa e 8% procuram os sistemas de denúncia anônima da companhia. 

“O Connect ajuda empresas clientes a identificarem problemas de comportamento recorrentes ainda mais rápido. Enviar um relato sob a condição de fazer parte de um padrão, é uma forma alternativa de proteger as pessoas envolvidas. Além de ajudar a empresa a detectar riscos de forma mais ágil, o envio com Connect também ajuda a contornar o anonimato, o que torna o processo de mediação e/ou investigação mais fácil. Com um ano de operação, empresas clientes da SafeSpace recebem 10 vezes mais relatos e resolvem casos três vezes mais rápido do que as que usam canais de denúncia analógicos. Com essa nova funcionalidade, queremos aumentar ainda mais a visibilidade e eficiência do processo”, diz Rafaela Frankenthal, cofundadora da SafeSpace. 

A ideia é coibir casos como os do Caboclo da CBF, Marcius Melhem ou até mesmo os que aconteceram nos EUA com o produtor de cinema e o treinador da ginástica olímpica. 

O que a SafeSpace percebeu é que muitas das denúncias acabam não sendo finalizadas porque a mulher se sente sozinha – no caso do assédio – e que o criminoso nunca faz aquilo só uma vez, nem com uma só vítima. 

A SafeSpace é uma startup do portfólio da Maya Capital, e possui clientes como a seguradora Alice, a startup Buser, o jornal NEXO, a JusBrasil, a RockContent, O Delivery Center, a Not.co, entre outras.