Fraudes na internet triplicaram nos últimos quatro anos no Brasil

A ocorrência de roubos de senhas triplicou nos últimos quatro anos no Brasil, segundo estudo da consultoria Appgate. Foram mais de 3,2 bilhões de ataques, diz um relatório da Fortinet, desenvolvedora americana de soluções de segurança. Segundo especialistas, o grande volume de ataques se deve ao compartilhamento de links maliciosos e páginas falsas criadas por fraudadores. Gerente de infraestrutura e segurança da informação e DPO (Data Protection Officer) do Target Bank, José Eduardo de Souza Soares, explica que os consumidores podem evitar ser pegos em fraudes verificando os links recebidos no e-mail, SMS ou mensagens de WhatsApp, principalmente quando o endereço parecer suspeito. 

“Antes de clicar, verificar sempre o endereço do site para onde foi redirecionado e o e-mail do remetente para garantir que são genuínos. Se não tiver certeza de que o site é real e seguro, não insira informações pessoais. Nestas situações, solicite sempre o auxílio de alguém de sua extrema confiança, antes de realizar qualquer ação”, orienta José Eduardo.

Para o especialista em desenvolvimento de software Gilberto de Oliveira Ferreira, CTO da Téxvn Group, os consumidores precisam atenção em mensagens que utilizem links estranhos, com extensões desconhecidas como o por exemplo: www.empresaconhecida.dominioestranho.com.net.br. “Pode até ser que o texto do link seja o endereço correto de uma empresa que eu conheço, mas é preciso verificar o endereço para onde será direcionado ao passar o mouse por cima do link, pois ele pode direcionar para um endereço desconhecido, por isso, a atenção deve estar redobrada”, ensina Ferreira, acrescentando que é preciso estar atento também a erros gramaticais, seja em e-mails, sms, banners e páginas web. “Além disso, nunca abra anexos suspeitos, como arquivos com extensão *.exe e *.zip. Outra advertência é que as cobranças de dívidas, convocações judiciais e atualizações cadastrais, entre outras comunicações, geralmente não são feitas por SMS, rede social, etc.”, completa o especialista.

Desinformação facilita golpes

Um levantamento realizado pela empresa americana Signifyd apontou que o Brasil lidera fraudes virtuais na América Latina. “A desinformação e o sensacionalismo fizeram da internet um campo fértil para criminosos usarem iscas e buscarem incessantemente por dados que possam ser usados para extorquirem vítimas, quer sejam empresas ou consumidores”, comenta José Eduardo Soares.

Segundo o especialista do Target Bank, existe uma tríade que precisa obrigatoriamente ser respeitada e que deve evoluir junto, que são: pessoas, processos e tecnologias. 

Confira outras dicas dos especialistas:

  • Crie senhas fortes, inclusive para o Wi-Fi nas suas residências. É recomendável misturar letras, minúsculas e maiúsculas, com números e caracteres especiais (!@$#+), substituindo letras por caracteres, como por exemplo “a” por “@” e “i” por “!”, além de optar por senhas mais extensas, com no mínimo oito caracteres.
  • Evite senhas óbvias, como a data do seu aniversário, usar a senha do banco em serviços na internet e aproveitar a mesma senha em vários serviços, pois sabemos que ajuda a lembrar, mas se uma senha for vazada, fica mais fácil que informações de outras contas também fiquem expostas;
  • Cuidado com as perguntas para a recuperação de senha: informações como “qual é o nome do seu cachorro?” ou “qual é o seu time?”, muitas vezes, são facilmente encontradas nas redes sociais ou com uma pesquisa rápida no Google. O ideal é encontrar perguntas com respostas mais difíceis de serem descobertas e ativar a verificação em duas etapas, pois além da senha tradicional, você pode optar por outra forma de verificação, um código a mais para garantir sua identidade, que pode ser um número aleatório ou até adicionando o requisito extra de confirmar sua identidade através de seu e-mail;
  • Não anotar a senha em papéis e aplicativos de notas e não salvá-las no preenchimento automático do navegador é outro cuidado;
  • Por fim, utilize antivírus e mantenha os softwares atualizados.