Golpes em operações de consórcio: como evitar?

O Brasil vive um período difícil relacionado à privacidade de dados e segurança do próprio dinheiro. Um levantamento feito pela Transunion, empresa global de informações e soluções, mostra que as tentativas de fraude digital no país cresceram 20% no segundo trimestre deste ano em comparação ao mesmo período de 2021. Porém, não são apenas fraudes por meio de computador e celular que estão em alta, já que no mercado de consórcio tem sido cada vez mais comum a ocorrência de golpes.

Segundo Tatiana Anderson, sócia e head do jurídico da Turn2C, solução de inteligência artificial (IA) para o mercado de consórcio, é possível identificar fatores que envolvem a modalidade financeira que podem ser considerados suspeitos, como anúncios duvidosos em redes sociais, facilidades que só um vendedor tem, garantia de contemplação ou cota já contemplada e promessa de que a cota já está quitada.

Diante deste cenário de dúvidas, Tatiana explica que a melhor maneira para saber se o consórcio que se pretende adquirir é realmente verídico e transparente é tomar a decisão de comprar com alguém de confiança. “O consórcio é um ótimo produto e pode trazer muitos benefícios, mas é importante existir uma assessoria pós venda para ajudar com todos os trâmites perante à administradora do consórcio”, afirma.

Um dos golpes mais comuns dentro dessa modalidade financeira consiste em um suposto vendedor de consórcio que pede dinheiro antecipado para o cliente, seja via PIX ou por boleto fraudulento. Isso geralmente acontece com a promessa de venda de uma cota de consórcio inexistente, ou a venda de uma cota contemplada com descontos irreais. Uma vez feito o pagamento, o suposto vendedor some e interrompe o contato com o cliente.

Por essa razão, é importante ficar sempre alerta. “Se você estiver em contato com alguém que não conhece, é importante verificar junto à administradora ou com uma pessoa de sua confiança se o vendedor é cadastrado em alguma administradora de consórcio e se está mesmo autorizado a fazer venda do produto. Além disso, o contrato deve ser assinado diretamente com a administradora e os pagamentos  serão depois realizados diretamente para ela também”, destaca a head do jurídico.

De acordo com Tatiana, para evitar que esse tipo de situação aconteça e traga problemas e aborrecimentos, a melhor forma de se prevenir de golpes no consórcio é sempre buscar empresas idôneas e conhecidas para a compra de consórcio. Por exemplo, a Turn2C é uma empresa investida da B3, a bolsa de valores brasileira, e conta com uma plataforma que consegue conectar as pessoas diretamente com diversas administradoras.

No entanto, caso um cliente caia em um golpe de consórcio, a executiva ressalta que é necessário que a pessoa aja rapidamente. “O primeiro passo deve ser ir até a delegacia mais próxima para registrar um boletim de ocorrência. Na sequência, vale procurar um advogado para auxiliar na interface com a delegacia e em eventual ação de reparação de danos”, finaliza.