Aplicativos de serviços sob demanda apostam na qualificação de profissionais multitarefas

Os aplicativos de serviços como transporte de passageiros e delivery, entre outros, lidam quase que diariamente com o surgimento de novos concorrentes, em virtude da alta demanda por soluções digitais cada vez mais presentes no dia a dia dos brasileiros. Levando em conta que a satisfação dos clientes é o principal fator que consolida uma plataforma entre as mais requisitadas, uma nova tendência vem surgindo entre essas empresas: a qualificação de seus colaboradores para atividades que tornam o serviço mais completo e eficaz.

É o caso da Vá de Táxi, plataforma que opera por meio de um aplicativo para smartphone que possibilita chamar um táxi e fazer o pagamento diretamente no aplicativo. Em 2021, ela expandiu sua atuação para o segmento de Assistência a Automóveis. Quem executa este serviço? Os próprios motoristas. A empresa já conta com mais de 200 colaboradores capacitados somente em São Paulo. Além de transportar passageiros, eles ficam disponíveis para prestar serviços como troca de pneus, carregar ou trocar baterias, entre outros, aos clientes das seguradoras.

Segundo a CEO da Vá de Taxi, Glória Miranda, o projeto não trata apenas da inserção da empresa em um mercado mais amplo, sendo importante também para beneficiar os profissionais parceiros. “Com as restrições impostas pela pandemia e sem pessoas nas ruas, os taxistas faziam, no máximo, duas ou três corridas por dia, o que resultou na queda abrupta da renda desses profissionais. Repensamos nosso modelo de negócios, ampliando para serviços além de mobilidade, e desenvolvemos um treinamento InApp para uma frota selecionada no projeto piloto, sendo que a capacitação era complementada com cursos presenciais em parceria com seguradoras”, explica.

De lá para cá, a demanda pelos serviços prestados pela Vá de Táxi vem aumentando de tal forma que os ganhos já não são mais vistos como dinheiro extra, e sim como uma segunda fonte de renda, o que deu a certeza para a expansão do projeto em escala comercial nacional. A ideia é expandir o serviço para todo o Brasil através da vertical VDT Assist, que irá incorporar ainda outros serviços como pequenos reparos em residências, por exemplo, aproveitando a base de 130 mil taxistas cadastrados na plataforma.

Essa busca por caminhos alternativos já revela uma recuperação econômica para estas empresas e startups em resposta à pandemia, como mostram alguns estudos. Um deles é o Índice de Confiança de Micro e Pequenas Empresas (IC-MPE), que é calculado pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV). De acordo com a pesquisa, o indicador registrou um aumento de 5,4 pontos, em maio, atingindo o patamar de 93,5 pontos, o maior nível desde dezembro de 2020 (94,6 pontos).

De olho nas novas oportunidades e postos de trabalhos que surgem à medida que estabelecimentos como bares, restaurantes e casas de eventos retomam suas atividades, a Closeer também reinventou a maneira que seus colaboradores atuam no mercado. A startup – que fomenta a Gig Economy no Brasil, conectando pessoas em busca de vagas flexíveis de trabalho às empresas que precisam destes profissionais, também por meio de um aplicativo – lançou recentemente a EduCloseer. O serviço oferece aos usuários (no caso, os trabalhadores) uma série de cursos de qualificação gratuitos, relacionados às diversas funções solicitadas no app.

“A pandemia trouxe um cenário de desemprego que pegou de surpresa muitas pessoas que hoje vivem em um mercado escasso de oportunidades. Pensando em quem precisa aprimorar seu conhecimento para cumprir os jobs que as empresas mais ofertam, como os de restaurantes ou cozinha, a EduCloseer entra como apoio na qualificação. A ideia é que as empresas também possam hospedar seus treinamentos específicos ali, facilitando a chegada do profissional Closeer”, explica o CEO da startup, Walter Vieira.

Os cursos ficam disponíveis de forma gratuita dentro do próprio aplicativo Closeer e contemplam, ainda, segmentos como varejo, logística e saúde. Além de aprimorar a parte técnica dos trabalhadores, a qualificação também engloba aspectos comportamentais, de higiene e de postura.

A startup não apenas viu o faturamento crescer nos últimos meses, como expandiu atuação dos serviços para os estados do Paraná e Santa Catarina. A Closeer também atende trabalhadores e empresas parceiras em Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.