“O contexto em que vivemos exige que investidores ponderem risco e retorno”, diz especialista em finanças

“O contexto em que vivemos exige que investidores ponderem risco e retorno”, diz especialista em finanças

Os impactos de qualquer conflito entre nações giram em torno de prejuízos humanos, sociais e econômicos. Como hoje vivemos no contexto da invasão da Ucrânia pela Rússia, isso fica evidente. E é claro que as vidas envolvidas são o que de mais precioso estamos perdendo, mas não podemos deixar de falar também da economia, que é impactada no mundo todo.

O gerente financeiro da Cocre, Felipe Bianchim, analisa que com o agravamento das tensões causadas pelo conflito, o Banco Central pode estender o ciclo dos aumentos das taxas básicas de juros. “Nesse momento elevar a Selic é um caminho para conter as ameaças sobre a inflação. É claro que para os tomadores de crédito esse é um cenário ruim, mas para investidores é positivo, principalmente ao considerarmos as aplicações em renda fixa”, diz.

Uma das regras de ouro dos investimentos consiste em diversificar a carteira, e essa regra se mantém ainda nesses momentos conflituosos, porém com mais cautela. Com a guerra acontecendo e as sansões à Rússia vindas de diversos países parceiros, o mercado das ações, por exemplo, fica afetado.

“Se você já tem uma carteira variada dentro da renda fixa, a orientação é que a mantenha e até expanda as oportunidades. A Selic hoje está em 10,75%, podendo subir ainda mais. Investimentos como LCI, LCA, CDB e até a poupança, fazem bastante sentido nesse momento. Considerando todo o cenário em que Ucrânia continua sofrendo ataques russos, a mudança das políticas monetárias em vários países fez com que essa opção menos arriscada (renda fixa) se tornasse, por ora, a opção mais convidativa”, completa Bianchim.

Investir exige educação financeira e uma das regras é saber ponderar o quanto você tem, seu perfil de investidor e onde é mais viável aplicar. Independente do contexto é sempre importante estar atento a tudo isso.

“Sabemos quando ao investir em renda variável e no risco, nós temos mais chances de rentabilidade daquele valor, mas o contexto em que vivemos exige que os investidores ponderem mais ainda a relação que existe entre risco e retorno. O retorno daquele investimento pode ser muito atraente, mas o risco de perder tudo pode ser maior. Cuidado, atenção, estudo e ajuda de um profissional de finanças é o que recomendamos ao investir”, completa Felipe Bianchim.