Para evitar vazamento de dados, empresa investe em ferramentas seguras

O vazamento de dados vêm se tornando uma dura realidade nos últimos tempos, sejam eles de dados bancários, ou até mesmo de informações roubadas em sites e redes sociais, como foi o caso das chaves PIX, que em um período de 6 meses, foram vazadas mais de 160 mil. Essas explanações são realizadas por ataques cibernéticos que visam comercializar ou divulgar os materiais. Como medida para que isso deixe de ocorrer no país, o Congresso Nacional promulga a Emenda Constitucional 115, que eleva a proteção de dados pessoais à condição de direito fundamental assegurado pela Carta Magna. 

Provando que é possível proteger as informações de seus clientes contra ataques cibernéticos, a martech norte-americana Arena.im está anunciando que entrega aos seus usuários um sistema que dificulta em 99% que esses vazamentos ocorram. Com uma cartela de clientes como Nubank, C&A, Globo, Bayer e Bradesco, a Arena utiliza algumas ferramentas para que os dados de seus usuários fiquem seguros e protegidos. Para proteger as informações de pagamento de seus clientes, a martech utiliza o Padrão de Segurança de Dados do Setor de Cartões de Pagamento (PCI DSS), que é um conjunto de requisitos exigidos para qualquer empresa que manuseie, processe ou armazene esse meio de rendimento. 

Para proteger os dados, no geral, todos os arquivos da Arena são salvos com criptografia AES256 em uma nuvem privada e com acesso estritamente restrito. Para garantir segurança e abordar possíveis vulnerabilidades, a martech realiza testes regulares de penetração de terceiros. A empresa ainda conta com os certificados SOC2,ISO 27001, HIPAA/HITECH e EU-US Privacy Shield, que são compatíveis com o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (GDRP).  

Para o fundador e CEO da Arena, Paulo Martins, esses vazamentos demonstram a baixa segurança que essas informações possuem. 

“Estamos falando de dados bancários e de informações pessoais de muitos brasileiros, elas são cruciais. Quando são vazadas, os clientes perdem total confiança na instituição. Em nossa plataforma, fazemos o possível e o impossível para que isso não aconteça, pois queremos que os nossos usuários se sintam seguros e saibam que não irão correr riscos de vazamentos”. 

Como medida para que isso deixe de ocorrer no país, o Congresso Nacional promulgou a Emenda Constitucional 115, que eleva a proteção de dados pessoais à condição de direito fundamental assegurado pela Carta Magna.