Só 22% dos cartões na América Latina são habilitados para uso internacional

O BoaCompra by PagSeguro, fintech especializada em permitir que empresas de todo o mundo aceitem meios de pagamento locais e moedas locais de 17 países da América Latina, acaba de divulgar um estudo exclusivo sobre o cenário atual do mercado online latino-americano. Intitulado “Renascimento digital na América Latina: um mergulho profundo nas tendências, oportunidades e desafios do setor de comércio eletrônico da região”, a pesquisa foi realizada em parceria com Americas Market Intelligence (AMI).

Focando nos seis principais mercados da América Latina – Brasil, México, Chile, Colômbia, Peru e Argentina –, o estudo abrangente fornece insights e traz dados atualizados sobre o mercado online em rápida mudança na América Latina, uma região com oportunidades maduras para empresas que operam no cenário digital, especialmente agora, com a crescente penetração dos bancos digitais, num processo de digitalização ainda mais acelerado pela pandemia e uma economia em recuperação pós-covid.

Além de dados internos do AMI e de fontes públicas, a pesquisa também incluiu entrevistas – realizadas no primeiro trimestre deste ano – com comerciantes internacionais e players locais que vendem nos mercados desses países em vários setores, incluindo varejo, streaming de vídeo e música, jogos, viagens e provedores de produtos digitais B2B.

Um ponto comum entre todos os setores é o entendimento de que a digitalização é uma tendência contínua que veio para ficar. Com uma média de 77% tanto na penetração da internet quanto nas pessoas que possuem smartphone, fazer compras e realizar diversas outras atividades diárias pessoais e profissionais online é a preferência de um número cada vez maior de latino-americanos.

Neste contexto, empresas de qualquer setor encontram na América Latina uma ótima opção de expansão internacional. Setores como varejo e bens digitais tiveram um aumento exponencial nas vendas durante a pandemia: o estudo mostra que 61% da população dos países avaliados fez compras online em 2020 e, em 2021, o número subiu para 67%. Com mais frequência, mais variedade de produtos e ticket médio mais alto, a AMI espera que o mercado de e-commerce da América Latina cresça a uma taxa anual de 25%, atingindo US$ 646 bilhões em 2025.

Para aproveitar todo esse potencial de mercado, atender às expectativas dos clientes é fundamental – quando se trata de comerciantes offshore que vendem na América Latina, isso inclui a necessidade de aceitar pagamentos locais e moedas locais.

De acordo com o estudo, embora os cartões de crédito ainda sejam o meio de pagamento mais utilizado na América Latina (46% das vendas em 2021), 78% dos cartões usados na região são apenas domésticos – no Brasil, o percentual de pagamentos com este tipo de cartão de crédito chega a 70%. Quase todos os comerciantes entrevistados durante a pesquisa concordam que poder oferecer opções locais de pagamento com cartão é um divisor de águas, uma vez que aumenta os índices de aprovação, melhora a experiência do cliente e permite que os comerciantes forneçam práticas locais, como pagamentos parcelados (que representam 50% das vendas online pagas com cartões de crédito, dependendo do segmento e do tamanho da compra).

Outra grande tendência na América Latina é a crescente preferência por mobile banking e métodos de pagamento digital, como o Pix (meio de pagamento eletrônico e instantâneo oferecido pelo Banco Central do Brasil). Isso impulsiona a inclusão financeira e a inovação na região, mudando consideravelmente o cenário tradicional de pagamentos e tornando ainda mais interessante para as empresas estrangeiras venderem na região.

Navegar neste complexo cenário financeiro dificulta a atuação na América Latina para empresas estrangeiras sem entidade local, o que evidencia a necessidade de contar com um parceiro local com expertise no cenário financeiro da região. Dados relevantes e possíveis soluções para os estabelecimentos que operam ou planejam operar nessa região estão disponíveis no estudo completo que pode ser baixado gratuitamente pelo link: https://hubs.la/Q01csnZv0.