Com avanço do streaming e vídeos, audiovisual se torna futuro para marcas

Com avanço do streaming e vídeos, audiovisual se torna futuro para marcas

O setor audiovisual está passando por grandes transformações em suas formas de produção. As plataformas de streaming, que já estavam crescendo antes da pandemia, tiveram seu papel potencializado durante o período de isolamento. O consumo de conteúdos audiovisuais se tornou um hábito diário, – de acordo com um estudo divulgado pela Kantar Ibope Media, quase 99% dos brasileiros assistiram à plataformas de streaming, TV, lives, redes sociais e videochamadas todos os dias. Por isso, diversas empresas começaram a investir neste tipo de plataforma, incentivadas pelos novos comportamentos dos consumidores. Além disso, a comunicação entre público e marcas constantemente está sendo feita via vídeos gravados de formas espontâneas nas redes sociais, sem a necessidade de uma grande produção de marketing. 

Para Leandro Alvarenga, CEO da Prime Arte, produtora audiovisual especialista em tecnologia, a explicação para esse fenômeno é a simplicidade em que esses conteúdos chegam às pessoas de forma muito confortável. “Agora é possível ter acesso a lançamentos de filmes e séries direto de casa por um valor mais barato, ou assistir suas celebridades favoritas muitas vezes ao vivo pela tela do smartphone. As novas produções cinematográficas e a visualização intensa de vídeos já são uma realidade que veio para ficar mesmo após o fim de qualquer traço da pandemia. O novo normal para os cinemas são, de fato, as plataformas de streaming. As salas de cinema vão continuar a existir, mas com menos força e relevância”. 

Por outro lado, as marcas descobriram que o formato de vídeos podem beneficiar os negócios ao notarem o poder da conexão criada com o seu público nesse período. Portanto, devem começar a arriscar e acompanhar as mudanças digitais, modificando seus processos, soluções e produtos. 

Ainda de acordo com o executivo, o modelo tradicional com que o audiovisual foi consagrado já não é viável. Agora, além da qualidade de um vídeo não ser o mais importante, e sim, a mensagem que ele traz, apenas com um celular é possível produzir conteúdo eficiente. Ademais, a comunicação atual demanda tecnologia. Cada vez mais os consumidores querem ver conteúdos personalizados, que sejam direcionados para os seus interesses, algo que muitas marcas já entendem. 

“O streaming e a nova forma de consumir vídeos não devem ser interpretadas como uma ameaça para o audiovisual. Essa realidade veio para ampliar o potencial desse setor, expandindo cultura e informação, inovando em criatividade e inclusão, e gerando empregos. Não há o que temer, porém, é melhor que todos se preparem. O momento pós-pandemia para o segmento será muito mais digital” finaliza Alvarenga.