A Coluna do Roberto Maciel (quinta, 9.5): Resposta bem dada ou atiça rancores ou humilha o agressor

A Coluna do Roberto Maciel (quinta, 9.5): Resposta bem dada ou atiça rancores ou humilha o agressor

  • Ainda que o momento seja de gravidade intensa, a partir da tragédia no Rio Grande do Sul, é preciso que o todo seja convenientemente contado para que se evitem aleijões na História. Com o temporal de fake news que desaba dos céus bolsonaristas, a gestão Lula tomou a iniciativa de abrir um guarda-chuvas. Ainda que tardio, o gesto vale no campo político. Falou-se que a primeira-dama, Janja, não se ocupou de ajudar flagelados gaúchos e que preferiu ver o show da cantora Madonna no Rio de Janeiro – era mentira deslavada; acusou-se o Governo Federal de ter patrocinado a apresentação da artista norte-americana em Copacabana – outra invenção destroncada; afirmou-se que Lula tratou as enchentes como se fossem jogo de futebol – mais uma leviandade; chegou-se atacar a Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul, atribuindo ao órgão uma draconiana medida de cobrar notas fiscais de doações – nova falsidade. Diante de coisas assim, o próprio Lula se encarregou de dar ponto final às atrocidades contra a verdade. Primeiro, colocando as estruturas do governo para identificar e buscar punições para os autores dos desatinos. “Quando teve cheia na Bahia, lembro que o (então) presidente da República (Jair Bolsonaro) estava passeando num jet ski e não se preocupou”, disparou, certeiro. Das duas, uma: ou Lula vai fazer com que as estratégias de rancor e de maldade do fascismo se aticem ou vai fazer com que as milícias do ódio ponham o rabo entre as pernas e voltem para o esgoto de onde saíram.

O caminho
O bolsonarismo, sabe-se, não dá mole quando cria ficções para agredir a inteligência e a imagem de desafetos. Como alguns criadores e executores da chacina da verdade têm se mostrado sem receio de punições – como os deputados do PL Nikolas Ferreira (MG), Gustavo Gayer (GO), Júlia Zanatta (SC) e o empresário Pablo Marçal -, não há de ser difícil buscar responsabilizá-los penalmente.

“Indústria canalha”

Lula e Eduardo Leite: trabalho in loco

Mais de Lula: “O que mais me apaixona é a quantidade de gente no Brasil inteiro preocupada em ajudar o Rio Grande do Sul. Um país que tem os seres humanos com a bondade que tem o Brasil não merecia essa indústria de fake news, mentirosa e canalha”. Ponto final.

Bandidos
No meio da crise no Sul, há outro elemento: a revoada de parlamentares bolsonaristas à Europa e aos Estados Unidos para “denunciar uma ditadura” no Brasil e exigir que investidores suspendam operações aqui. A ideia é, de ponta a ponta, sujar a imagem do País no exterior. Isso é crime e tem nome: lesa-pátria.

Tech
O Laboratório de Hidrometria da Cagece teve renovada a acreditação concedida pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. Isso tem muito a ver com a saúde da população e a qualidade de água, mas se relaciona também com os direitos do consumidor.

Mãos dadas
E o Nordeste não para de dar exemplos de solidariedade e respeito – diferentemente do que costuma sofrer quando se manifesta nos meios social e político. No Ceará, os aeroportos regionais (Juazeiro do Norte, Sobral, Aracati, Crateús, Iguatu, São Benedito e Jericoacoara) estão recebendo doações para os atingidos no Sul. Valem alimentos não perecíveis, água e itens de higiene pessoal.

Você decide

O deputado Renato Roseno (PSol, foto) pôs para tramitar na Assembleia Legislativa projeto que convoca plebiscito em todo o Estado para a população de pronunciar sobre uma eventual reestatização da Companhia Energética do Ceará (Cagece). A empresa hoje tem a denominação de Enel e, nota-se, acumula reclamações em série dos cearenses.

Dê um alô
Esta Coluna é publicada sempre às terças e quintas-feira e aos sábados no jornal Opinião (www.opiniaoce.com.br) e no portal InvestNordeste (www.portalinvestne.com.br). Leia e compartilhe. Os textos de Roberto Maciel também, ainda, em https://bit.ly/3q4AETZ.